Acidentes em águas rasas podem deixar a pessoa tetraplégica

Em 90% dos casos, os pacientes têm entre 10 e 25 anos

Rios, piscinas e praias são os locais preferidos do brasileiro na estação mais quente do ano. Mas é justamente nesses locais que acontecem com mais frequência os chamados acidentes em águas rasas, quase sempre causados pelo “mergulho de cabeça”. Essa é a 4ª causa mais comum de lesão medular no Brasil, de acordo com levantamento do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas. Os dados revelam que 60,9% das pessoas que sofrem uma lesão por bater a cabeça ao realizar um mergulho ficam paraplégicas ou tetraplégicas. E de cada 10 casos, 9 envolvem crianças e jovens na faixa etária que vai dos 10 aos 25 anos.

O ortopedista e especialista em coluna pelo Hospital das Clínicas de São Paulo, Dr. Rogério Vidal, faz um alerta para os cuidados que precisam ser tomados para evitar traumas graves nesse típico lazer do verão.

“Alguns traumas na coluna, em função desse mergulho de cabeça, podem levar a pessoa a ficar paraplégica ou tetraplégica. Dependo do grau da lesão na coluna, pode ocorrer uma interrupção parcial ou total das conexões nervosas do cérebro para os membros”.

O ortopedista comenta ainda que já viu pacientes morrerem em consequências de traumas irreversíveis depois de mergulhar de cabeça em águas rasas.

“Em quase todos os casos, a pessoa que está nesse momento de lazer não consegue visualizar o fundo do rio, ou do lago e nem imagina a profundidade e o perigo. Por isso, é fundamental a pessoa primeiro conhecer o lugar e avaliar bem os riscos antes de fazer qualquer tipo de mergulho.”, conclui o especialista.

Veja matéria publicada pelo site: Página da Saúde.

EM DESTAQUE
EM DESTAQUE

Rogério

  Vidal

LOCALIZAÇÃO

Av. Lavandisca 741  |  Cj. 105

Tel.: 11 3032-1811

Tel.: 11 3232-1050

ORTOPEDIA e TRAUMATOLOGIA Especializado em Coluna

TIRE DÚVIDAS OU ENVIE UMA SUGESTÃO

VÂNIA CAPARROZ PARA AGE IMAGEM

RV